• JUNTE-SE A NÓS NAS REDES SOCIAIS:

Leite materno é afetado pela alimentação da mãe

Categoria: Notícias por 30 de setembro de 2010

Sempre desconfiei que o leite materno sofre influências das substâncias ingeridas pela mãe. Nunca engoli muito a história de que podemos comer de tudo, desde que moderamente, durante o período que amamentamos.  Que podemos comer feijão, chocolate, beber café entre outros alimentos porque eles não provocam cólicas nos bebês. O que causa os doloridos espasmos é o natural movimento da flora, do intestino e por aí vai. Ok, até concordo com a explicação, mas a minha desconfiança ganhou mais ares de certeza quando Miguel passou a sofrer com a suspeita de ser alérgico à proteína do leite de vaca e eu é que tive de entrar numa dieta livre de alimentos lácteos.

Desde então, passei a acreditar que toda mãe que deseja realmente amamentar exclusivamente o rebento deveria se alimentar como as mamíferas de grande porte (baleias, vacas, vacas-marinhas, que são as mulheres dos peixes-bois, leoas) quase que exclusivamente de um tipo de comida ou a menos variada e mais saudável possível. Isso significa comer muito mato (os verdes) e carne (da cor branca, de preferência peixe, ou as de cor vermelha) e abandonar os açúcares (os carboidratos) e tudo que produz gás metano (rsrs).

Dureza, não? Também, acho. Mas eu sobrevivi, às duras penas, confesso, sem leite e derivados – pão, bolachas, biscoitos, queijos.

Hoje, a certeza virou CER-TE-ZA com as pesquisas que estão sendo apresentadas no Congresso Ibero-americano de Bancos de Leite, que está acontecendo em Brasília desde ontem, quarta-feira, dia 29/9, sobre a influência da alimentação na qualidade do leite.

Um estudo, que eu considero muito interessante, está sendo feito no Rio de Janeiro. Ele tenta descobrir porque o leite de algumas doadoras tem mais calorias do que o de outras.

Diz o texto, da Rede Brasileira de Banco de Dados, que “a coordenadora do setor Processamento e Controle de Qualidade do Banco de Leite Humano do IFF/Fiocruz, a engenheira de alimentos Danielle Aparecida da Silva, conta que estão sendo investigados os hábitos alimentares de mulheres que doaram leite humano com mais de 700 Kcal/Litro e menos de 400 Kcal/Litro. “… O objetivo do estudo é identificar como se alimentam as mães geradoras de leite humano altamente calórico, para orientar a dieta de lactantes a partir destes resultados”, Danielle resume.

“Ainda em fase preliminar, a pesquisa inédita no país está sendo realizada no município do Rio de Janeiro, com doadoras do Banco de Leite Humano do IFF/Fiocruz – referência nacional na área.

“A meta é expandir o estudo para outros Estados, para compreender a influência de alimentações típicas na qualidade do leite humano. “O Brasil é um país muito diverso e cada região tem um hábito alimentar diferente. Queremos investigar a qualidade do leite humano em cada uma destas situações, considerando, por exemplo, o alto consumo de óleo de dendê na Bahia ou a elevada ingestão de carne no sul do país”, apresenta a engenheira de alimentos. A pesquisadora destaca que os resultados permitirão a elaboração de dietas a partir do hábito alimentar e nutricional de cada região do país, valorizando a cultura local.”

 Pois é. A grande questão é: descoberta a influência da qualidade da alimentação no leite materno quantas mães estarão dispostas a abrir mão das delícias culinárias em pró do aleitamento materno? Hoje já são poucas as dispostas a encarar a jornada da exclusividade, são poucas as dispostas a atravessar o mar de obstáculos que o aleitamento no impõe, inclusive de disponibilidade. Como diz a filósofa Elizabeth Badinter (crítica da tirania do aleitamento materno), amamentar passa a ser um trabalho em tempo integral para a mulher. Você estaria disposta também a restringir o que coloca no prato?  Mesmo?

 A propósito: eu  topei porque achei que valia a pena e porque era financeiramente mais barato do que me aventurar nas fórmulas exclusivas e caras.

Beijos,

Patricia

E a promoção para ganhar o livro Diário de Um Grávido, do Renato Kaufmann do Diário Grávido, continua. O Renato promete, inclusive, deixar suas habilidades com as palavras de lado e enfrentar o desconhecido mundo da cozinha para fazer a receita sorteada! Para participar, clique AQUI.


16 thoughts on “Leite materno é afetado pela alimentação da mãe”

  1. Leda Lago disse:

    Meu bebê não teve problemas com cólica. Eu só consumi com moderação doces, refrigerantes e raramente frituras, mas comia de tudo normalmente, inclusive de vez em quando, comida mexicana e ele nunca teve cólica. Amamentei-o até 1 anos e 2 meses e quando parei de amamentar ele nunca aceitou outro leite e não gosta até hoje. O seu nível de cálcio está ótimo (segundo o médico ortopedista, é devido ele ser muito ativo e comer de tudo, exceto leite e muito raramente come derivados do leite). Eu não sofri com alimentação para amamentar. Só digo que é uma escolha importante devido à falta de tempo para outras coisas quando você escolhe amamentar, mas vale a pena.

  2. Leda Lago disse:

    A melhor coisa para amamentar bem é beber muita água, descansar bem (de preferência quando o bebê estiver dormindo, claro) e evitar passar por preocupações. Fico admirada de ouvir sobre mulheres que amamentam e doam mais de 1/2 litro por dia. Eu nunca consegui armazenar leite, só quando precisava dar uma saída rápida, eu tinha que levantar amanhecendo o dia para tirar leite que era o único horário em que tinha bastante leite (e conseguia em torno de 200 ml no máximo) que eu dividia em duas mamadas para quando necessitasse utilizar enquanto eu estivesse fora (mas isso raramente acontecia porque eu preferia amamentá-lo direto no peito e disso eu não abir mão).

  3. Caroline disse:

    olá, bom minha irmã tinha a mesma alimentação que eu com algumas diferenças logico,moramos na mesma casa, e ela teve muitoooooo leite e amamentou minha sobrinha até os 2 anos,comia frutas verduras legumes,pouco doce pouco café e tudo mais que mandam,minha sobrinha tem problemas respiratorios e alergicos,não teve muita colica, conheço uma mulher que não se restringiu em nada e a filha dela não teve colica, eu evito um monte de coisas,e faz um mes que tento dar mamar exclusivo do peito ao meu bebe e tenho pouco leite e ele chora toda noite, acho que as pesquisas precisam ser mais intensificadas,ninguem é igual, e ninguem sabe explicar,so nos enrola essa é a verdade……

    1. Comer para Crescer disse:

      Oi Caroline.
      Concordo plenamente com você. As pesquisas precisam ser mais cuidadosas, é preciso entender mais e mais a fisiologia do corpo feminino. Se te ajudar, recomendo que vc beba muito mais água para ver se a sua produção de leite aumenta. Compre uma garrafa de de 1,5 litro de água e beba quase duas dela por dia. Já muitos relatos de mãe contando que depois de terem feito de tudo para aumentar a produção de leite, a única medida que realmente resolveu foi um aumento considerável no consumo de água. Sei lá, vai que funciona.

      beijos e boa sorte

  4. Camila Ferrari disse:

    Meninas, acredito sim que devemos ter uma alimentação saudável desde a gravidez. Cuidei muito com a alimentação e estou colhendo os frutos agora! Durante a amamentação devemos cuidar com certeza mas essa história de restringir tudo acaba deixando a gente meio paranóica. Meu bebe tem 22 dias e eu estava tão preocupada que acabei ficando sem comer porque qualquer coisa q ia comer tinha algum item proibido. Resultado: acabei passando uma semana a pão integral e chá de camomila ate que tive uma dor terrível de cabeça durante dois dias, alem de me sentir fraca a ponto de não querer sair da cama! Pedi então uma dieta para a nutricionista e descobri q não precisa parar de comer e sim trocar os alimentos pesados e indistrializados pelos mais saudáveis, por exemplo pão branco por pão integral 12 grãos, leite de vaca por leite de soja, não comer frutas pesadas tipo manga, ácidos como abacaxi, mas comer mamão, banana, pêra, maça…

    1. Comer para Crescer disse:

      Oi, Camila.
      Que legal. Viu como informação é tudo nessa vida. E viva a sua nutricionista que te orientou direitinho e Parabéns para você que está colhendo os frutos e descobrindo que optar por uma alimentação mais saudável e menos agressiva traz benefícios.
      beijos e boa sorte
      Patricia

  5. andrea disse:

    Olá Patrícia,
    Estou com minha filha de 1 semana já com cólicas e pesquisando o que não comer, mas sempre fico em dúvida no que posso comer então?
    Com o que vc substituiu o pão por exemplo? Nessa do carboidrato não sobra muita opção..
    Obrigada :)

  6. Carolina disse:

    Gostaria de saber o tempo que leva para um alimento que eu como ir para o meu leite,ou seja..o que eu comi hoje vai afetar ou nao meu bebe em quanto tempo ?? Obrigada !!!

  7. Marília disse:

    Olá Patrícia
    Estou nessa luta pela 2ª vez…Meu primeiro filho é alérgico a proteína do leite, e tive que fazer dieta tb, mas na época, confesso que cometi grandes erros na dieta… Hoje, com minha filha de 20 dias, estou praticamente “matando” a fome com água…pq a restrição agora, além de leite, é ovo e soja, fora os alimentos que dão cólica… Mas a saúde deles é sempre nossa primeira causa…Mãe é mãe…rss

    Parabéns pelo blog!

  8. Nine disse:

    Oi Patricia! Eu prefiro ver com olhos um pouco mais cautelosos tais pesquisas, até mesmo porque cada mãe é uma, cada filho é um. Eu não tive que restringir nada na minha alimentação, claro que procurei me alimentar de maneira saudável, não abusar de condimentos, alimentos ricos em açúcares simples e que contivessem muito enxofre. Mas comi de tudo, numa boa, e minha filha não teve melhoras significativas quando resolvi testar uma dieta mais restritiva. Como nutricionista sei que as cólicas são um um mal necessário ao bebê e que podem ser agravadas sim pela alimentação da mãe, pois ele é formado com nutrientes provindos da alimentação dela e se tiver muito enxofre sobrando, vai para o leite, muita glicose, vai para o leite, etc. Ainda acredito na moderação! Beijos!

    1. Comer para Crescer disse:

      Eu também. Mas em tempos de exagero alimentar às vezes acho que pode ser interessante subir o volume do alerta um pouquinho. Mas vc é nutricionista e sabe como se alimentar bem. Eu, não! Era uma ignorante alimentar quando amamentei meu primeiro filho e o coitado sofreu. Só não sei o quanto ele sofreu além do necessário por causa da minha ignorância. De qualquer forma, ele sofreu e nem lembra. Ainda bem. Hj, com o nível de informação que tenho, eu faria algumas coisas bem diferentes. Sim.
      beijos e obrigada pelo comentário
      Patricia

  9. Ilana disse:

    Olá Patrícia!
    Eu senti isso na prática. Amamentei exclusivamente até os 6 meses, e depois até os 11 meses. O pediatra dizia sempre que eu podia comer o que quisesse sem exageros, mas meu filho tinha cólicas. Fui tirando tudo: café (já não tomava na gravidez), chocolate, feijões, verduras tipo brócolis,e por aí foi indo, até descobrir que o que dava cólicas mesmo era comida industrializada (que convenhamos, é uma bela facilidade pra quem acabou de ter bebê e não tem tempo e disposição pra cozinhar). Aboli completamente, e ele melhorou bastante. Valeu apena, mas de fato, não sei se é toda mãe que topa mudar a alimentação em prol da amamentação.
    Beijos
    Ilana

  10. lia disse:

    “estão sendo investigados os hábitos alimentares de mulheres que doaram leite humano com mais de 700 Kcal/Litro e menos de 400 Kcal/Litro”
    Mas eles já chegaram às conclusões? Porque se sabe que as mães produzem o leite de acordo com as necessidades nutricionais de seus filhos, e pode ser que essa diferença calórica tenha a ver com isso. Também têm de ser levados em consideração fatores genéticos, enfim..
    Eu abriria mão de qualquer alimento pra evitar problemas pra minha filha, desde que isso não afetasse meu estado nutricional (como sou vegetariana, seria complicado eliminar feijão e outros grãos, por exemplo, por causa do deficit de proteína e ferro que isso geraria). Mas cada criança é uma. Eu não precisei mudar minha dieta (exceto o álcool, né?), porque Emília não teve cólicas. Mas também, minha alimentação já era saudável antes.
    Acho que essa questão ainda tem muito que ser estudada. Em todo caso, por causa da minha dieta vegetariana, eu só me disponho a cortar alimentos com uma boa justificativa, jamais por rotina.
    Bjos!

    1. Comer para Crescer disse:

      Oi, Lia.
      Não sei ainda. A pesquisa ainda está em andamento. Assim que tiver o resultado a gente publica. E vc levanta uma questão fundamental: a sua alimentação já era saudável, mais próxima possível da feita na hora sem aditivos, antes da amamentação. Vc leu o comentário da Ilana nesse post?. Ela descobriu que a comida industrializada, e seus conservantes, espessantes, aromatizantes, corantes e afins, é que provocavam cólicas no filho dele. Por que será que a observação dela não me surpreende? (hehe). E acho mesmo que a questão precisa mesmo ser estudada com mais afinco e dedicação e os médicos (IN-CLU-SI-VE os obstetras) não devem ter medo de dizer: “Gata, vc não vai poder nenhuma comida industrializada se deseja que a amamentação tenha mais chance de não causar muitas dores no seu bebêzinho”. Se o corante já é um desastre para organismos “formados”, imagine o que eles podem fazer em organismos fresquinhos?
      beijos
      Patricia

  11. Cristiane disse:

    ops, faltou o restante do comentário:

    sem contar que me sinto uma leiteira ambulante: seios enormes, cheiro de leite, e sem tempo para mais nada… enfim, vale a pena mas que tem que querer, QUERER muito, ah isso tem!

    Adoro o blog.

    Bjs

  12. Cristiane disse:

    Pois é Patrícia, há 3 meses alimento meu bebê com LM exclusivo e sofro restrições por causa das famosas cólicas, sem contar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>