Disney anuncia retirada de seus personagens de junk food. Será que vai rolar mesmo?

No último dia 4, a Disney anunciou que seus personagens não vão mais estampar embalagens de junk food. Desde 2006, a gigante do mundo do entretenimento (e não da alimentação), vem tomando uma série de medidas para não mais associar sua imagem a balas açucaradas, bolinhos com excesso de gordura hidrogenada entre outros produtos alimentícios com ingredientes saturados de açúcar, sal, gordura. Diz o anúncio oficial que “este compromisso significativo marca o mais recente passo da parceria da Disney com os pais para inspirar as crianças a levarem uma vida mais saudável.”

(Eu ri nessa parte porque não dá para não comentar acidamente esse espírito “humano” da multinacional. Gente, depois de décadas colocando os personagens em produtos de valor nutricional muito duvidoso, sem comentar o caso da champanhe sem álcool Spunch, da Cereser, né?, a firma do Mickey Mouse vem com esse papo de parceria com os pais. Pára. Parceria coisa nenhuma. Acho que há intere$$e$ pesados por trás disso. Se não tivesse, o CEO da Disney não teria feito o anúncio da mudança nas diretrizes ao lado da primeira-dama Michele Obama, justamente em período de eleições presidenciais americanas).  

Bom, continuando na divulgação da notícia…

O  prazo para implentação total dessas novas diretrizes é até 2015. “O objetivo, segundo a Disney Company, é ajudar na redução do consumo de alimentos calóricos, com alto teor de gordura saturada, sódio e açúcar e estimular a inclusão de frutas e vegetais na alimentação dos norte-americanos”, escreveu o jornal Meio&Mensagem.

(Ok. Ok. Entendi. Mas não engoli. Acho que a empresa deve ter acusado queda nas vendas dos produtos, processos nas costas, ou seja, prejuízos financeiros e para a marca, tal como aconteceu com o McDonald´s, e daí que resolveu dar mais um passo contra a exploração da ingenuidade infantil. A Disney vai continuar explorando os personagens em produtos licenciados porque as crianças amam todos os personagens que pulam das telas para qualquer coisa que possa ser vendida. Saem de cena os produtos altamente calóricos e entram os menos calóricos. Isso não quer dizer, mais saudáveis. Basta dar uma olhada na imagem logo abaixo.)

 

 

No Brasil, um dos produtos comestíveis licenciados são as guloseimas da marca Fini. Como será que a Fini vai ficar agora? Será que as novas diretrizes vão atingir a empresa?

Encaminhei um e-mail para a assessoria de imprensa da Fini sobre o assunto. Assim que tiver (se tiver) uma resposta da empresa, eu atualizo o post.

Será que a Spunch também será retirada do mercado?

Busquei um contato da assessoria de imprensa da Disney no Brasil para fazer essas perguntas e não achei nenhuma informação de contato no site deles no Brasil, assim como no Facebook, Twitter, Linkedin da empresa. Tive de encaminhar um e-mail para o site da multinacional nos EUA, solicitando um contato no Brasil. Só recebi o desprezo silêncio como resposta, por enquanto.

Se alguém tiver um contato da firma e puder passar pra gente, agradeço muito, viu?

 

Será mesmo que essas mudanças vão acontecer tanto lá quanto cá?  Eu tenho sérias dúvidas. Acho que aqui a coisa vai continuar tal como está. E vocês, o que acham? Será que as princesas Disney vão sair das embalagens das gelatinas Fini e da champanhe sem álcool, por exemplo?

Beijos,

Patricia